Início » O que podemos aprender observando os algoritmos do Google do passado e do presente?

O que podemos aprender observando os algoritmos do Google do passado e do presente?

por Marketing Digital Learn

O Google foi afetado pela implementação de algoritmos inovadores ao longo dos anos, alterando os resultados de pesquisa SERPs.

Você se lembra do Pinguim, do Panda, do Cafeína e do Maio?

Normalmente, o Google começa aprimorando uma área específica para solucionar um problema específico, antes de expandir sua funcionalidade e adotar um nome. Por fim, essas melhorias são incorporadas aos algoritmos principais de ranqueamento.

Apesar de as tendências de pesquisa mudarem com o tempo, o Google continua comprometido a combater o spam que existe na internet.

Entender a natureza da pesquisa do Google se torna essencial à medida que a Inteligência Artificial transforma a procura e nossas existências.

Vamos analisar as semelhanças entre as mudanças anteriores e as atuais do Google para entender como o Google avalia ações e conteúdos.

Google Search Experiência Gerativa vs. Painel de Conhecimento

Talvez a comparação mais aparente que podemos estabelecer é a reação da comunidade de pesquisa às duas atualizações, que são bastante similares.

Recentemente, a Google lançou a Visualização Prévia da Experiência Gerativa de Busca. Além disso, há vários artigos da Google que aproximam o SGE e o BERT (produto de Inteligência Artificial do Google).

Aqui temos um dos vídeos animados que o Google distribuiu.

SGE-eBike-GIF
Imagem: astrovariable/ShutterStock

A vista gerou aflição entre especialistas em SEO, já que mostrava pouco espaço para ligações orgânicas de pesquisa.

Os profissionais de marketing se preocupavam com a possibilidade de o SEO (e a pesquisa potencialmente remunerada) ficar obsoleto, sem elementos clicáveis.

Não demorou muito para a linguagem se tornar profética, e os seres humanos começaram a anunciar sua vontade de voltar à morte.

SEO is dead stories
Imagem: karvanth/FreeImages

Uma atualização recente de FAQ tem chamado muita atenção no Twitter, pois um documento do Google indica que o Barry Schwartz apresentou algumas citações e ligações a criadores de conteúdo. (Mais notícias sobre o relatório de Barry Schwartz)

Profissionais de pesquisa estavam inquietos devido à possibilidade de que o Google interromperia a entrega de visitas para o mundo online, reduzindo o número de elos orgânicos bem posicionados e a quantidade de referências diretas.

Para mim, isso parece pouco provável. A fonte de renda do Google é inteiramente dependente de publicidade paga por clique.

Isso não significa que as coisas não podem ser feitas de maneira diversa. (Em outras palavras, invista para que sua marca seja referenciada com maior frequência por um mecanismo de inteligência artificial nos chats mais importantes – esqueça palavras-chave!)

Todavia, demanda algum tempo para que essa tecnologia seja difundida globalmente.

Portanto, não criaria expectativas de que o formato de publicidade do Google sofra mudanças repentinas. Teríamos que nos ajustar às novas tecnologias ao longo do tempo.

Nossas funções podem abranger métodos de fabricação e modificação de anúncios mais rápidos utilizando as recomendações de inteligência artificial em vez de palavras-chave e ligações.

Apesar das transformações, o empreendimento prosseguirá, porém de maneira consideravelmente distinta.

Parece que o Google introduziu painéis de conhecimento em 2012?

Este recurso dependia do Gráfico de Conhecimento do Google (uma infraestrutura de back-end para estabelecer significado e reunir dados em forma de entidade) para buscar por detalhes em particular nos resultados de busca, não no site que os hospeda.

Leia:   Como otimizar uma postagem de blog para os trechos em destaque do Google

Desde então, houve muitas mudanças.

Quando o painel de conhecimento foi lançado inicialmente, tinha a aparência de:

Knowledge Panels - then
Imagem: Chakkree_Chantakad/FreeImages

Então, ainda havia uma abundância de ligações naturais. No entanto, foi uma grande transformação visual, oferecendo mais energia para a procura (principalmente dentro de bibliotecas) para obter dados puros.

Atualmente, os meios de adquirir informações assumem diferentes formatos.

Knowledge Panels - now
Imagem: karvanth/GettyImages

Não é preciso clicar na ligação de referência em numerosos casos, dado que os painéis de inteligência fornecem as informações necessárias diretamente.

Embora os painéis de conhecimento frequentemente não sejam tão fortes, eles geralmente suprimem a necessidade de clicar, especificamente para procuras que têm muita informação.

Os painéis de conhecimento foram apresentados em 2012, antes de a Inteligência Artificial ser reconhecida amplamente. Todavia, muitos especialistas em SEO previam o declínio e a desolação.

Aqui estamos, 11 anos mais tarde, e a procura ainda persiste.

Ainda hoje, o Google concederá tráfego para sites.

SEO ainda está vivo e chutando.

Logo, tal como o painel de conhecimento, mesmo em sua versão mais moderna, não foi capaz de eliminar a busca, eu suspeito que o mesmo será válido para as implementações do Google SGE e BARD.

Apesar disso, isso não garante um futuro de prosperidade.

Nós temos de nos ajustar aos novos tempos, e pode ser que nós vejamos uma queda no número de cliques que precisamos controlar ou encontrar métodos alternativos de publicidade.

No entanto, AI não é um desastre anunciado que coloca a perder nossas profissões.

Ao igual que a Era da Recuperação da Informação (IR) surgiu antes de SEO, o SEO se desenvolverá para algo diferente.

Cadastre-se na newsletter diária para encontrar profissionais de marketing.

Processamento… Por gentileza, aguarde.

Examine as palavras.

Google valoriza conteúdos úteis em relação ao “Panda”, seu algoritmo de busca.

Aqui, podemos estabelecer uma analogia muito óbvia.

No mês de agosto de 2022, o Google anunciou a criação de um programa denominado “Conteúdo Ajudo”, com o propósito de:

A renovação de conteúdo útil tem como propósito recompensar os materiais onde os usuários têm uma experiência positiva, enquanto o conteúdo que não atinge a expectativa do usuário não será bem-sucedido.

Para garantir que seu conteúdo seja bem-sucedido com a nossa nova atualização, certifique-se de que você está seguindo as nossas orientações antigas de criar conteúdo para as pessoas e não para os mecanismos de busca. Os criadores de conteúdo de primeira pessoa devem procurar oferecer conteúdo de qualidade, enquanto aproveitam as melhores práticas de SEO para oferecer aos pesquisadores valor extra. Se você responder ‘sim’ às perguntas abaixo, você provavelmente está no caminho certo com uma abordagem focada nas pessoas:

  • Você tem um grupo de pessoas já estabelecido ou intencionado ao seu empreendimento ou página web que considerariam o conteúdo útil caso eles chegassem diretamente até você?
  • O seu conteúdo aponta inequivocamente para a experiência direta e para uma base de compreensão aprofundada (por exemplo, resultado de ter realmente usado um item ou serviço, ou tido contato com um local)?
  • Você tem um objetivo específico para seu site?
  • Após a leitura de seu conteúdo, alguém terá a sensação de que adquiriu conhecimento suficiente sobre um determinado tema para realizar seu objetivo?
  • Alguém que leia o seu conteúdo se sentirá satisfeito com a experiência?
  • Está considerando nossas recomendações para melhorias básicas e para inspeções de produtos?
Leia:   Passos para o sucesso no e-mail marketing

Trate primeiro de criar conteúdo que seja relevante para os usuários e não para os mecanismos de busca.

Nosso conselho de que se utilize uma abordagem de primeira pessoa não nega o fato de que se deve seguir as melhores práticas de SEO, como as estabelecidas pelo Guia de SEO do Google. SEO é benéfico quando se trata de conteúdo criado com as pessoas em mente. Entretanto, o conteúdo que foi criado com o objetivo principal de obter tráfego do motor de busca tende a ser considerado insatisfatório pelos usuários.

Muitos especialistas em SEO conhecerão muito bem as alterações feitas em versões anteriores do Panda.

O Google frequentemente continua se referindo à atualização pelo seu nome.

Este blog post de 2011 oferece informação a respeito das pontuações iniciais da atualização (mesmo sem mencionar especificamente o Panda).

Nosso propósito é direto: fornecer às pessoas as respostas mais relevantes às suas perguntas de forma ágil. Isto requer uma atualização contínua dos nossos algoritmos, pois novos conteúdos – tanto úteis como impróprios – estão presentes na web a todo momento.

As modificações que fizemos são tão sutis que muitas pessoas não as perceberam. Porém, temos uma nova melhoria algorítmica que afeta 11,8% das buscas realizadas – e queremos que todos saibam o que está por trás disso. Esta atualização tem como objetivo reduzir os rankings de sites de baixa qualidade – sites que não fornecem valor para os usuários, copiam conteúdo de outros sites ou que não são de grande utilidade. Além disso, irá melhorar o ranking dos sites de qualidade superior – aqueles com conteúdo original, como pesquisas, relatórios detalhados, análises profundas, etc.

Não conseguimos realizar uma grande melhoria sem alterar o posicionamento de diversos sites. Alguns sites vão se elevar enquanto outros vão decair. O Google precisa de conteúdo de qualidade proveniente de sites fantásticos ao redor do mundo, e temos o dever de favorecer um ecossistema online saudável. É essencial que os sites de boa qualidade sejam recompensados, e é exatamente o que essa mudança faz.

O propósito do Google não mudou: eles acreditam em uma ferramenta de busca eficaz para obter resultados.

Se os resultados das buscas forem dominados por conteúdos fabricados para fins de otimização para mecanismos de busca, os usuários se depararão com mais lixo eletrônico, o que acarretaria em uma queda no uso e na receita gerada por anúncios.

Leia:   Republicação de conteúdo: como atualizar postagens antigas de blog para SEO

É impressionante como a linguagem é igual entre a edição original da Panda e a recém-atualizada versão com informações úteis.

A tonalidade da voz alterou-se ligeiramente, mas os principais aspectos continuaram os mesmos.

  • O Google está ciente de que um ambiente web sadio os favorece. Não se pode acreditar cegamente no Google ou em qualquer grande empresa, mas eles não têm interesse em prejudicar seu próprio público (uma verdade que ainda se aplica, mesmo diante da implementação de Inteligência Artificial).
  • Criar conteúdo útil e exclusivo para usuários finais. Não produza conteúdo apenas para melhorar a classificação nos motores de busca.
  • O Google tem um olhar atento para ver como mudanças importantes em nível individual afetam seus locais de pesquisa em conjunto. A empresa opera com cautela e vai gradualmente, dando-nos oportunidade para nos ajustarmos.
  • Quando os usuários estão na internet, eles têm atividades para realizar. Compreenda como o seu conteúdo ajuda-os a cumprir seus objetivos e coloque isso em prática na produção do seu material.
  • Mesmo com a força da Inteligência Artificial, o Google ainda precisa da contribuição humana para adquirir conhecimento da web. Sem essa contribuição, não existem materiais novos para a IA aprender, e a informação/notícia on-line ficará estagnada, tornando o mecanismo de busca do Google ineficaz.

Se você imaginou que a Inteligência Artificial chegaria ao ponto de não precisar mais do conteúdo produzido por humanos, os experimentos iniciais nessa área não deram resultados satisfatórios.

Degenerative AI
Imagem: astrovariable/UnPlash

Parece que quando a Inteligência Artificial é usada, a qualidade do material produzido declina drasticamente.

Investigar semelhanças entre o passado e o presente.

À medida que tecnologias disruptivas, como a Inteligência Artificial, surgirem, alguns afirmam que a pesquisa estará acabada e que o SEO está morto.

No entanto, podemos obter uma avaliação mais prática, comparando a linguagem empregada no passado com as atualizações fornecidas pelo Google.

Esta aproximação nos auxilia a prevenir o medo e harmonizar com a perspectiva de longo alcance do Google para nossos websites, materiais e ligações.

Vamos planejar e ajustar nossos negócios estrategicamente durante este período de mudança.

Os pontos de vista pessimistas acerca da penetração tecnológica acelerada frequentemente são imprecisos, como a História demonstra que a adoção em grande escala requer tempo.

A Inteligência Artificial é apenas uma nova área a ser desbravada e, com a economia mundial em um estado tão precário, é imperativo continuar nessa direção.

As perspectivas apresentadas neste artigo são da autoria do convidado e não necessariamente se assemelham às das pessoas envolvidas na produção. Os desenvolvedores deste material estão listados aqui.

Você Pode Gostar